17 agosto 2007

Você entende o que está acontecendo?

Eu não entendo. Na realidade, estou um bocado confuso. De um lado, se todas as informações apontam para uma culpa generalizada do Partido dos Trabalhadores (PT) pelo mar de lama que corre no Brasil, como posso me sentir em relação a isso? De outro lado, como posso acreditar que os aparelhos de comunicação social privada estejam todos falando a verdade? Temos um paradoxo, no Brasil.

O governo Lula foi re-eleito com massiva aceitação popular - principalmente no Nordeste. Desde então uma série de perguntas passaram a pulular no meu raciocínio: o que essa re-eleição signigicou em termos democráticos ao povo (principalmente, ao pobre)? Será que a expressão "povo brasileiro" (vá lá saber o quê isso significa) não se aplica à população do Norte e Nordeste do Brasil? Ou, de outra forma, só é "verdadeiro" o que é ditado no Sul e Sudeste - isto é, os nordestinos e nortenses não têm voz? Ou, pior ainda, "o povo está sempre errado"? Isso me faz lembrar a "teoria da duplicidade" (alicerce do sistema representativo da revolução liberal de 1789).

Eu começo a pensar que Baudrillard tem razão, quando filosofou que vivemos numa era de obscenidades; a categoria do transpolítico está submersa na obscenidade (a política e o social passaram a ser categorias submetidas à estratégias banais).

Ou seja, eu fico vendo o rico reclamar que o pobre está mal. Será? Só estou confuso com tanta corrupção rondando o gabinete presidencial. Afinal: culpado ou inocente?

10 comentários:

A. Lara disse...

Deparando-me com essa imagem, fico a pensar como essa mídia tem um poder de ludibriar, manipular.
Acho que a região NE deu um grito, mas um grito daqueles do intímo, que vem do útero. O povo, a classe média deparou-se com um NE, sem estudos, sem o que eles chamam de capacidade para a polítca. E veja só, presidente da republica por duas vezes, que desaforo! Fico muito preocupada a qntas anda meu país, fico apavorada, abatida.. No entanto, fazer o que? Se não foi dessa vez que o Brasil deu seu salto para a vitória!? Porém, tivemos grandes conquistas que ao meu ver deveriam aqui serem citadas. Não acho que tenhamos só derrotas.

Att,

A. Lara

Antônio T. Praxedes disse...

Lara,
concordo contigo. Tenho consciência, inclusive, que a maioria destes escândalos têm por responsáveis pessoas que já andam na política brasileira há muito tempo, e vêm de outros partidos que não os de esquerda.
Aliás, que fique claro, já faz um tempo que a infidelidade partidária misturou num mesmo saco esquerdas e direitas... fica difícil falar de política no Brasil, quando todos só querem "se dar bem", não importa a cor de sua camisa...

Anônimo disse...

O povo estah esta errado em parte. Veem a corrupçaum e fingem que naum. Tipo gostam de sofrer.

Anônimo disse...

Essa expressão "gostam de sofrer" é um fetiche, resquício da cultura escravocrata?

Anônimo disse...

E os escravos gostavam de sofrer???????????????????

Anônimo disse...

parece que a elite brasileira ainda gosta de dar umas chicotadas...

Anônimo disse...

O culpado dessa (e)história toda somos nós, povo brasileiro, que deixamos esses crápulas fazerem o que bem entendem, indo e vindo, de mandato em mandato mesmo que sabidamente envolvidos em corrupção. Entendo sua cínica “confusão” caro Antônio, em achar estranho haver tal unamidade em se apontar o PT como culpado dessa "lama de corrupção". É claro que não são somente os partidaristas do PT merecedores dessa estigma, porém, são os que estão comandando a “patuscada” agora, são a bola da vez, e com um adendo, pela primeira vez. Mas vieram (desculpe o trocadilho) de barriga vazia e foram com muita sede ao pote. Concordo que exista manipulação entre os grandes meios de comunicação e seria muita ingenuidade não acreditar nisso, porém, daí a achar que as denuncias feitas do esquema de corrupção montado (e é só um exemplo) pelo PT não serem verdades e sim, denúncias forjadas maquiavelicamente pela direita aristocrata para liquidar com a Situação, penso ser não uma ingenuidade ou cinismo mais sim um excesso de zelo de um militante esquerdista indignado por não querer aceitar que de alguma forma suas tão eloqüentes convicções agora possam padecer por falta de respaldo empírico.

Att,

André Pitta

Óh Sama! disse...

O culpado dessa (e)história toda somos nós, povo brasileiro, que deixamos esses crápulas fazerem o que bem entendem, indo e vindo, de mandato em mandato mesmo que sabidamente envolvidos em corrupção. Entendo sua cínica “confusão” caro Antônio, em achar estranho haver tal unamidade em se apontar o PT como culpado dessa "lama de corrupção". É claro que não são somente os partidaristas do PT merecedores dessa estigma, porém, são os que estão comandando a “patuscada” agora, são a bola da vez, e com um adendo, pela primeira vez. Mas vieram (desculpe o trocadilho) de barriga vazia e foram com muita sede ao pote. Concordo que exista manipulação entre os grandes meios de comunicação e seria muita ingenuidade não acreditar nisso, porém, daí a achar que as denuncias feitas do esquema de corrupção montado (e é só um exemplo) pelo PT não serem verdades e sim, denúncias forjadas maquiavelicamente pela direita aristocrata para liquidar com a Situação, penso ser não uma ingenuidade ou cinismo mais sim um excesso de zelo de um militante esquerdista indignado por não querer aceitar que de alguma forma suas tão eloqüentes convicções agora possam padecer por falta de respaldo empírico.

Att,

André Pitta

Antônio T. Praxedes disse...

André,
só quem me conhece fala assim, com tanta certeza.Eu votei neste cara três ou quatro ou cinco vezes - não importa. Hoje, me sinto profundamente frustrado.
Mas a luta continua: lutar por uma revolução social de democracia popular e participativa no Brasil.

Anônimo disse...

o que o povo quer é comer!!!!!!!!!!
enquanto o povo comer, viva o populismo!!
se o povo tiver bolsa disso e bolsa daquilo, nao vai parar de votar nesses caras!!!
vamos acabar com a comida do pobre, pra que ele vote em outra pessoa!

Artigos selecionados

Supremo Tribunal Federal

Conselho Nacional de Justiça

Tribunal Superior do Trabalho

Tribunal Superior Eleitoral