12 agosto 2010

Era da Informação e desafios da Transformação

As atuais dinâmicas de comunicação (móvel, ubíquoas) e a velocidade com que a informação é difundida - tornando-se necessária e desnecessária quase que simultâneamente - tira da informação o seu potencial transformador. A transformação depende da da informação, assim como a compreensão da apreensão. Sem a interiorização, re-flexão e crítica, não pode haver transformação.

Os espaços de conhecimento por excelência - as universidades - estão em processo de falência, em função desses mesmos desafios. Competindo com as mais várias formas de fontes de informação (desde a Televisão à Internet, dos cursos de ensino superior "estilo colégio" aos cursos preparatórios de concursos), os cursos universitários precisam reinventar a pesquisa, reavaliar seus métodos e metodologias, reinserindo a crítica na formação de seus alunos, com vistas a distingui-los como autênticos intelectuais e formadores de opinião, em contraposição aos copistas e reprodutores de idéias.


Ainda, é preciso recolocar os livros / obras literárias no núcleo duro da Era da informação, pois eles podem ser a única forma de pensamento a persistir com certa continuidade. Nesse aspecto, é preciso criticar as outras formas de informação, sempre sujeitas à alteração, nos mesmos moldes da imagem posta por George Orwell em 1984: os bancos de dados informáticos não são fontes seguras sobre o correto / incorreto, e essa total liberdade em alterar as informações difundidas não cria base alguma ao pensamento, relativisando todas as formas de saber - pela falsa noção de que a sophia (saber) pode ser sinônimo de doxa (opinião).

Se estamos à procura de alternativas aos atuais modelos sociais e não sabemos dizer que alternativas serão essas, é porque não tivemos tempo de interiorizar a própria realidade. Como o conhecimento - hoje - serve apenas de técnica às Leis do Mercado, tendo um valor transitório, ele torna-se descartável tão logo mudem as necessidades mercadológicas. É por isso que não somos hábeis em identificar que tipo de conhecimento (reflexivo-crítico) pode ser útil na elaboração de um projeto emancipatório social: a realidade muda numa velocidade que impede a interiorização do saber sobre essa mesma realidade.

Portanto, a Era da informação não está alicerçada em bases sólidas de conhecimento, senão em técnicas (discursos e práticas) momentaneamente úteis. Devemos nos questionar que tipo de profissionais, cidadãos e estudiosos estão a ser formados nesse novo modelo cognitivo-produtivo e que impactos essas práticas terão na estabilidade / adequação dos modelos sociais, visto que esses últimos são dependentes de bases sólidas de conhecimento / informação.

2 comentários:

Léo disse...

Texto interessante Praxades, eu só não entendi porque você critica a possibilidade de alteração das fontes digitais de informação.
No século passado, por exemplo, tomamos como verdade muitas informações que hoje sabemos serem falsas (principalmente nas áreas científicas). Livros com tais citações hoje não são mais fonte confiável de pesquisa; mas isso poderia ter sido evitado se o material tivesse sido desde o começo disponibilizado na forma digital para os interessados e, com o tempo, ter sido atualizado pelo autor. Ainda que não fosse gratuito, isso facilitaria muito a vida de quem precisa pesquisar.
Concordo com você e com Orwell que há um ar de insegurança na alterabilidade da informação digital, mas num mundo em que as informações mudam tão rápido quanto a própria sociedade, é um desperdício de papel e de tempo manter as informações estáticas - assim como conhecimento que estas proporcionam.
Entendi que é justamente essa realidade política, social e principalmente econômica inconstante que você critica e concordo com você. Mas tornar estáticas as informações que temos sobre tais condições vai facilitar somente a vida dos que não querem aprender e, ao meu ver, não vai fazer a sociedade parar para que aqueles que não a compreendem (todos nós) passemos e entendê-la.
No demais, admiro e concordo com seu texto.

Antônio T. Praxedes disse...

Prezado Léo,
A questão aqui não é acerca da "verdade", até mesmo porquê me pergunto se tal coisa existe, em qualquer ramo do conhecimento científico... desde a Física até o Direito.
A questão é que é preciso deixar registros históricos sobre a evolução do pensar, sobre as dúvidas que geraram opiniões e/ou novas leis e formas de pensar.
A história da humanidade precisa de referenciais - e a atual tecnologia tem servido para destruir esses referenciais.
Eu estava apontando na direção da pós-modernidade líquida (se é que tal coisa existe mesmo, ou se é um projeto em construção por meia dúzia de pensadores mal intencionados).
Abraços,
ATP

Artigos selecionados

Supremo Tribunal Federal

Conselho Nacional de Justiça

Tribunal Superior do Trabalho

Tribunal Superior Eleitoral